“O saber a gente aprende com os mestres e os livros.

A sabedoria se aprende é com a vida e com os humildes”.

Cora Coralina


Cena do filme experimental "Time Gap", dos catarinenses Cláudia Cárdenas e Rafael Schilchting.
Cine Cleo abre temporada 2018 na Sala Conchita

Projeto cinematográfico realizado por mulheres inicia o ano nesta quinta-feira (4/1), 19h, na Faculdade de Artes Dulcina de Moraes (Setor de Diversões Sul - Conic). Sessão gratuita com debate sobre o tema "Ruídos no Deslocamento".

São três produções de diretoras consagradas no cenário nacional: os curtas-metragens “Sobre Aquilo Que Nos Diz Respeito” (8’), da carioca Cristina Miranda; o experimental “Time Gap”, do duo catarinense Strangoloscope (formado por Cláudia Cárdenas e Rafael Schilchting), e o premiado longa-metragem “Muito Romântico”, de Melissa Dullius e Gustavo Jahn (Brasil/ Alemanha).

O projeto é uma realização de mulheres envolvidas com a divulgação de filmes produzidos, roteirizados e dirigidos por elas. A ideia é mostrar a produção brasileira de realizadoras e pesquisadoras do cinema.

Até agosto de 2018, os cinéfilos serão prestigiados com sessões quinzenais, sempre às quintas-feiras, no Dulcina. Em cada sessão, o Cine Cleo exibe, de graça, três produções selecionadas pela equipe de curadoras. Os filmes abordam e discutem um tema em comum. Ao final, acontece um debate mediado por pesquisadoras.  

No ano passado, quem passou pela sala Conchita da Faculdade de Artes pode conferir sessões que envolveram as temáticas Tradições e Rupturas, Espelhamento, Velhice e Seus Afetos e Fronteiras de Mim.

Desta vez, elas trazem para a telona o tema Ruídos no Deslocamento e três produções que exploram uma forma cinematográfica vanguardista, experimental.

O Cine Cleo homenageia Cleo de Verberena (1909- 1972), a primeira mulher brasileira a dirigir um longa-metragem no país, “O Mistério do Dominó Preto”, em 1930. O projeto tem o patrocínio do FAC – Fundo de Apoio à Cultura. O cineclube faz ainda parceria com o projeto Verberenas, site colaborativo de críticas de cinema escritas por mulheres realizadoras audiovisuais. O projeto nasceu em 2015, dentro da Universidade de Brasília.

A 5ª sessão do Cine Cleo chega para colocar ruídos no deslocamento, assim como propõe o tema. A começar pela exibição de “Sobre Aquilo Que Nos Diz Respeito”. Curta de oito minutos da carioca Cristina Miranda rememora antigas histórias de espíritos e escravos em um jardim de rostos cobertos.

O Duo Strangloscope, formado pelos catarinenses Cláudia Cárdenas e Rafael Schilchting, será representado pela produção experimental “Time Gap”. A dupla trabalha com a pesquisa do movimento, do ritmo e da composição da imagem com sons. Seu trabalho está vinculado na vídeo-arte, forma de expressão artística que utiliza a tecnologia dos vídeos em artes visuais.

Para encerrar, “Muito Romântico” retrata memórias e fantasias que transcendem o tempo e o espaço. Na condução da história estão Melissa e Gustavo. Ambos atravessam o oceano Atlântico em busca de uma nova vida em Berlim.

Essa dupla faz filmes, amizades e música, mas acaba se perdendo ao descobrir um segredo que trará o medo à tona. “Muito Romântico” foi exibido em várias partes do mundo e ganhou um troféu na Mostra do Filme Livre, no Rio de Janeiro. A direção é assinada por Melissa Dullius e Gustavo Jahn (Brasil/Alemanha).

Serviço
Cine Cleo (Cineclube das mulheres)
Dia: 4 de janeiro (quinta-feira), às 19h. Projeto segue em cartaz até agosto de 2018, quinzenalmente, sempre às quintas-feiras, às 19h.
Local: Sala Conchita da Faculdade de Artes Dulcina de Moraes – Conic (SDS)
Entrada franca - não recomendado para menores de 16 anos

Ficha Técnica
Projeto: Cine Clube Cleo
Curadoria: Amanda Devulsky, Erika Bauer, Glênis Cardoso, Isabelle Araújo
Produção executiva: Natália Pires
Produção técnica: Mari Mira e Janaína Montalvão
Design e assessoria de comunicação: Flora Egécia e Bianca Novais (Estúdio Cajuína)

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Destaques

Mais Artigos

Numa tarde poética, no Leão da Serra, em Brasília, Maria Maia recita este poema de Mario Maia, com o qual foi cassado do mandato de deputado...
(377)