“O saber a gente aprende com os mestres e os livros.

A sabedoria se aprende é com a vida e com os humildes”.

Cora Coralina


Hatoum:"Campus da UnB. Brasília, 1968"
Dois livros, presentes que recomendo

Romário Schettino –
 
Neste Natal ganhei dois livros que mereceram ser lidos rapidamente. Foram tão boas leituras que, acho, devem ser recomendados: “A Noite da Espera”, de Milton Hatoum, e “Lima Barreto – Cronista do Rio”, organizado por Beatriz Resende.

O primeiro - A Noite da Espera (Companhia das Letras) - retrata a tenebrosa e angustiante Brasília do final dos anos 60 e início dos anos 70, conta a história vivida por um ex-morador da cidade. Hatoum é autor de um enredo emocionante, ao mesmo tempo triste e bem humorado. Eu me vi ali no meio, ainda que indiretamente. Senti o medo que ele sentiu e também fugi quando muitos tiveram que fugir. Quem viveu nesse período reconhece os personagens, cujos nomes são fictícios no livro. Alguns já morreram, mas todos são inesquecíveis. Esse é o primeiro de uma trilogia denominada "O Lugar Mais Sombrio".

Obrigado, Margarete, que me deu o livro! Obrigado, Milton Hatoum, por ter me transportado para uma Brasília que eu amava, apesar do terrorismo de Estado representado por Médici, e que ainda amo, apesar da degradação urbanística dos dias atuais. A cidade vem perdendo seus encantos, mas ainda é bom tê-la na memória afetiva.

O segundo - Lima Barreto – Cronista do Rio (Editora Autêntica) - é uma coleção de artigos do escritor/jornalista negro que viveu apenas 41 anos na Cidade Maravilhosa e que publicou seus textos em vários jornais cariocas (foto).

Lima Barreto é o cronista que toda cidade gostaria de ter. Segundo Beatriz Resende, ler este livro é “uma bela maneira de conhecer o Rio de Janeiro do início do Século 20, de 1910 a 1920”. Barreto andava, literalmente, a pé pela cidade e olhava de perto todas as mazelas da sociedade.

Suas críticas ácidas às elites econômicas e políticas estão cheias de humanismo e solidariedade com os pobres, sobretudo os negros, que saíram da escravidão oficial para uma liberdade sem a mínima proteção social.

Lima Barreto conheceu de perto a trágica transição da Monarquia para a República, comandada por uma oligarquia civil-militar de dar arrepios. O nascimento da Velha República, que até hoje respira em nosso cenário político, era detestado por Barreto pelo seu caráter autoritário e elitista.

Ler Lima Barreto é um prazer para quem admira as belezas do Rio de Janeiro e tem as mesmas preocupações com as injustiças e as desigualdades sociais.

Obrigado, Sylvio Peixoto e Cesar Fernandes, por este presente!

Para quem gosta do Rio e de Brasília, são duas sugestões de leitura fascinantes. Aproveitem.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Destaques

Mais Artigos

Numa tarde poética, no Leão da Serra, em Brasília, Maria Maia recita este poema de Mario Maia, com o qual foi cassado do mandato de deputado...
(377)