"A distância social mais espantosa no Brasil é a que separa e opõe os pobres dos ricos.
A ela se soma, porém, a discriminação que pesa sobre negros, mulatos e índios, sobretudo os primeiros".

Darcy Ribeiro


Cena de "Virilhas", um grito contra a fúria dos moralistas
Virilhas: Contra as sombras, o corpo

Peça de Alexandre Ribondi, "Virilhas”, em cartaz até 19/11, sempre de sexta a domingo, às 20h, na Casa dos Quatro - 708 Norte, Bloco F Loja 42 - Rua das Oficinas (atrás do restaurante Xique-Xique). Classificação, 18 anos.

“Toda nudez será castigada”, a peça de Nelson Rodrigues, escrita e estreada em 1965, não poderia ser mais atual. Na segunda década do século XXI (sonhada como a realização das esperanças), o corpo voltou a ser acusado de pecaminoso e contaminador.

Por sua vez, a homossexualidade também voltou a ser o alvo de apedrejamentos dos novos moralistas, que pretendem que o Brasil renegue todas as conquistas do direito civil e dos direitos humanos ao longo dos últimos 200 anos.

Além disso, a discriminação baseada em cor da pele está, mais uma vez, na boca dos preconceituosos. E aí surge a peça “Virilhas”, de Alexandre Ribondi, com estreia marcada para 3 de novembro, na Casa dos Quatro, o novo espaço cultural de Brasília.

Em cena, dois homens, vivem uma intensa história de amor, paixão e sexo. Por isso mesmo, estão nus durante toda a apresentação, para representar a vitória do corpo sobre o pudor mal-cheiroso e a pálida moral dos infelizes.

O ator Fernando Oliveira vive a personagem que é o amor. O amor descontrolado, forte, que grita o seu nome, que morde e, sobretudo, que incomoda a quem não quer se dar o trabalho de amar. É ele quem pergunta, aos berros: “O que é sentir preguiça de gostar?”. E Luís Ferrara é o outro, o que não quer ser incomodado, que aceita a superficialidade do corpo e das emoções.

A peça, que já passou por outras temporadas em Brasília e em São Paulo, retorna, dessa vez, com a intenção de desafiar e se levantar contra o avanço da moral sombria e oportunista do século XXI.

"Os moralistas, com voz de longo alcance, não se perturbam com a homossexualidade, com a nudez ou com o racismo. O que eles pretendem é alcançar o poder e a fortuna dos poderosos e, para isso, tratam de manipular a grande parte da população que, mesmo calada, ainda não aceita compartilhar postos de serviço e locais públicos com a diversidade sexual, com a liberdade dos corpos livres e com a alegria dos negros", destaca Alexandre Ribondi, o diretor e autor da peça.

"E é contra esse poder que os atores, o autor/diretor, e a Casa dos 4 se levantam. Se eles gritam os seus nojos, nós gritamos a nossa revolta", completa Ribondi.

Virilhas” estará em cartaz até o dia 19 de novembro, às 20h nas sextas, sábados e domingos. "Nós queremos mostrar que a exibição da genitália não é pornografia", conclui Ribondi.



As reservas podem - e devem - ser feitas desde já pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo., para a compra de ingressos a R$ 20. Na bilheteria, serão vendidos a R$ 40 a inteira.

Agilizem-se, pois serão poucas apresentações e o nosso teatro tem apenas 55 lugares.

DRAMA - CLASSIFICAÇÃO: 18 anos

FICHA TÉCNICA
Texto e direção: Alexandre Ribondi
Elenco: Fernando Oliveira e Luís Ferrara
Concepção de luz: Abaetê Queiroz
Operação de luz e som: Morillo Carvalho
Fotos de Divulgação: Michael Melo
Arte Gráfica: Rafael Salmona
Assessoria de imprensa: Morillo Carvalho
Produção: Desvio Produções Culturais
Contato: (61)98425-6885/Elisa Mattos

SERVIÇO
Espetáculo "Virilhas”
Local: Casa dos Quatro - 708 Norte, Bloco F Loja 42 - Rua das Oficinas (atrás do restaurante Xique-Xique)
Data e hora: 03 a 19 de novembro de 2017, de sexta a domingo (sempre às 20h)
Ingressos: R$40 (inteira), R$20 (meia)

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Destaques

Mais Artigos